domingo, 1 de novembro de 2009

A invenção de um Mundo

Sábado de sol. Segunda é feriado. Opa! São Paulo vira uma cidade quase fantasma e agradável. Bom pra curtir um parque, fazer exercício, respirar ar puro, pegar travestis sem ser reconhecido...
Gente, isso é mentira do SPTV. Nem com 3 bombas atômicas essa porra desentope mais.
Av. Paulista. Tudo lotado. Bares cheios de jovens bonitos, calçadas cheias de skatistas, Parque Trianon cheio de homossexuais, e eu cheio de preconceitos, mas politicamente correto. Parece um dia qualquer, na verdade.
Existe um oásis de calmaria no meio da zona. Um lugar onde pouca gente se atreve a ir num dia lindo. Um lugar onde nada é permitido e a torneira do banheiro solta um jato desgraçado de forte que molha toda a sua camiseta na hora de lavar as mãos.
Esse lugar é o ITAÚ CULTURAL. (som de trombetas angelicais)
Recusei umas cervejas na casa de um camarada pra ver a mostra de fotografias "A invenção de um Mundo". Errei? Errei, é claro.
A mostra tem tudo o que a gente já sabe que vai encontrar. Texto sem sentido dos curadores (algo relacionado com o espaço-tempo ou qualquer coisa desse tipo), monitores com cara de tédio, visitantes sussurrando, seguranças te seguindo, enfim, nenhuma novidade.
Fotografias. É verdade. Tinha também.
Comecei pelo andar mais baixo de três. Aprendi a fazer isso depois de algum tempo. Três andares? É claro que vai ter muito porcaria, e o melhor, quase sempre, fica no começo da exposição, ou seja, no andar mais alto. Ver coisa boa no começo e ruim no final é meio frustrante. Então inverter essa ordem zzzZZZzzzZZZzzz
Ai, meu jesus, quantas justificativas pra não se arrepender sobre as cervejas...
Surpreendentemente, o andar mais baixo estava bom. Muito bom. Trabalhos do Jan Saudek ao lado dos trabalhos do Paolo Ventura. Alguém conhece esses caras? Eu também não conhecia. E é pra isso que eu saio de casa, aliás. Para conhecer coisa nova. Isso faz bem, né, bicho.
Geralmente eu anoto os nomes que marcam mais. Vou pra casa e pesquiso sobre os caras.
Tenho só esses dois nomes pra fazer isso dessa vez. Vi mais artistas bons, mas não pude anotar os seus nomes. Não pode usar caneta dentro das salas da exposição.
Hã?
Vou repetir: Você não pode usar a porra de uma caneta para escrever em uma merda de um papel dentro das salas do Itaú Cultural.
Oi?
Peraí, eu não posso usar uma caneta dentro da exposição? Não!
!
Uma caneta.
?

Espero que a exposição pegue fogo.

2 comentários:

El Loko disse...

Hoje de manhã eu fui numa exposição de matrizes de xilogravura e o segurança não deixou eu entrar com o meu canivete. Tentei explicar que a cidade tá perigosa, que eu fui assaltado três vezes no mês passado, que perdi dois rádios do carro, um celular, uma blusa e que só não perdi a calculadora porque ela era HP e não Casio, mas mesmo assim ele não deixou. Aí tentei argumentar que passei o feriado inteiro fazendo trabalhos intermináveis de antropologia, que a coisa toda não tinha rendido muito porque não tô conseguindo me concentrar direito já faz um tempo, que acabei perdendo ótimas oportunidades de tomar uma cerveja no domingo e achei que aquela exposição ajudaria. Sabe? Ver outras coisas, sair de casa, ver o sol, viver a vida, ver pessoas, esse blablabla todo que você já descreveu (aliás, com uma surpreendente honestidade e pureza. Um dos raros parágrafos desse blog sem ironia. Será esse um sinal dos tempos? Bem...). Ele disse que não poderia me ajudar e que, na verdade, esse parecia ser mais um motivo para não poder ficar com o canivete, já que eu não parecia estar muito bem e poderia aprontar com aquilo e até pediu para eu dar um passo pra trás, tirar minha mão do bolso. Aprontar? Um cara que se propõe a passar 40h da semana em um escritório e depois vai direto pra 72h numa mesa, não é muito do tipo que apronta, certo? Expliquei pra ele que um amigo meu com cara de normal sempre sonhou em passar cocô na parede de algum lugar e, veja só, nenhum segurança pensa que o café da manhã é uma arma muito mais perigosa que um canivete. Ahhh, e agora? Vai fazer lavagem estomacal em todos os visitantes? E as canetas? Não pode usar caneta, disse ele. Tudo bem, mas mesmo assim, eles tem o café da manhã! Senhor, por favor, se retire. OK, eu preciso mesmo terminar o trabalho.

Pantufas de Nuvens disse...

No domingo eu tava num rancho, vendo uma fila de patinhos passar enquanto tomava um refresco. Como eu estou "empantufada" eu prefiro dizer refresco...vcs caros amigos podem imaginar q refresco gelado eu tomei!
Visitem as pantufas, elas estão em época de colheita!