sábado, 17 de outubro de 2009

Terry Richardson

Terry Richardson
Tem algo de ridículo no Terry Richardson... Não sei se por causa dos óculos ou do segundo nome de jogador de futebol...



...mas alguma coisa me enche o saco vendo as fotos dele.
No site você acha imagens dos jackasses, do Rio de Janeiro (com o Cauã Raimond de bigodinho), mulheres se beijando, homens vomitando, atores famosos, da Amy Winehouse encoxando uma galinha, da mãe dele e até do Obama.
São milhões de imagens. Algumas são boas. Mas, porra, se eu tirar 1.000 fotos, 10 devem sair da hora também, né.
A técnica para as fotos: Snapshot.
Ai, Crispim Misericórdia, os termos. Os termos...
Bom, ele pega a câmera dele e mira na cara das pessoas. O que saiu, saiu. Se ficou bom ele coloca no site e vende caro. Se ficou ruim ninguém nunca vai ver.
E qualquer foto de famoso vende, na moral.
Tem um tchan "anárquico" no trabalho do Richardson. Mesmo sendo fácil construir isso numa casa qualquer cheia de gente e álcool, no caso dele parece ser uma coisa espontânea. Ele está inserido naquilo, e as pessoas da rodinha confiam nele. Aquele parece ser mesmo o mundo de Terry. Não é um fotógrafo que, assim, de repente, depois de uma noite cheia de sonhos divinos, resolve que vai sair do seu apartamento paulistano, morar por um mês numa comunidade ribeirinha e fotografar os pobres e suas manias, fazer um estudo sobre isso e mudar alguma coisa no mundo.
Quer ser egoísta? Seja no seu próprio ambiente, cara.
Mas, enfim, alguém paga pelo trabalho e o Richardson faz. E ainda parece se divertir com isso.

2 comentários:

El Loko disse...

e esse...
http://www.studium.iar.unicamp.br/28/index.html

legal? ah...legal.

Renan Henrique disse...

El Loko,
Legal.
El Mago.